Um debate sobre mídia e recursos hídricos

A preocupação com a escassez de água está mais presente na sociedade brasileira hoje do que há dez anos, quando o assunto era praticamente ignorado. A opinião é do secretário-executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, Fábio Feldmann, e foi proferida ontem na abertura do 2.° Fórum Vamos Botar Água no nosso Jornalismo, em Jundiaí. Organizado pela prefeitura de Jundiaí, pela DAE S.A. Água e Esgoto e pela revista Imprensa, o encontro, que termina hoje, discute a questão dos recursos hídricos no Brasil e no mundo e o papel dos meios de comunicação ao tratar do assunto. O evento ocorre simultaneamente ao 3.° Fórum Mundial da Água, em Kyoto, no Japão, e serve também para lembrar que 2003 foi declarado pela ONU o Ano Internacional da Água Potável. A primeira conferência teve como moderador o jornalista Washington Novaes, colunista do Estado. Ele observou que o mundo passa por um momento crítico. "Mais de 1,5 bilhão de pessoas não têm acesso à água potável e outros 2,5 bilhões não têm saneamento básico." Para Novaes, o problema é mais grave quando se nota a forma como os 6 bilhões de habitantes da Terra estão consumindo seus recursos naturais. "A humanidade está gastando 20% a mais do que a capacidade de reposição do planeta. E o pior: esse déficit aumenta 2,5% ao ano." Ele também lembrou que, embora a Terra seja composta por mais de dois terços de água, apenas 3% dela é doce. "Tirando todo o volume gasto em irrigação, nas indústrias, o que está poluído e a água dos mares, sobram três milésimos disponíveis para consumo humano." Feldmann é um pouco mais otimista. "Há 20 anos, quase não se falava em meio ambiente. Hoje todo mundo está consciente de sua importância. A sociedade sempre anda mais rápido que os governos na busca de soluções." No que diz respeito ao Brasil, os dois concordam que a situação do País é melhor do que a do planeta. Novaes lembrou, porém, que todas as bacias hidrográficas, da Bahia até o Rio Grande do Sul, estão poluídas e há desperdício de água nas redes urbanas. Jundiaí foi escolhida como sede do evento porque é referência na questão dos recursos hídricos: 98% das casas têm água tratada.

Agencia Estado,

20 de março de 2003 | 10h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.