Arquivo/AE
Arquivo/AE

Uma hora de sesta pode deixar as pessoas mais inteligentes

Estudo da Universidade de Berkeley reforça a hipótese que o sono facilita o armazenamento na memória

Efe,

22 Fevereiro 2010 | 08h56

Um estudo da Universidade californiana de Berkeley revela que uma hora de sesta pode tornar as pessoas mais inteligentes, pois serve para despejar a mente e melhorar a capacidade de aprendizagem.

 

"O sono não só cura o mal-estar do cansaço prolongado mas, em nível neurocognitivo, leva além de onde a pessoa estava antes de tirar uma sesta", explica Mattew Walker, professor de psicologia nessa universidade americana e principal autor da pesquisa.

 

A descoberta reforça a hipótese de que o sono facilita o armazenamento da memória a curto prazo e permite espaço para novas informações, assegura Walker, que apresentou neste domingo, 21, seu estudo preliminar no encontro anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS na sigla em inglês) em San Diego (Califórnia).

 

Para chegar a essa conclusão, os cientistas tomaram como amostra 39 adultos saudáveis, que foram divididos em dois grupos: os que tiram uma sesta e os que não.

 

Durante um dia estas pessoas foram expostas a dois exercícios de aprendizagem para colocar à prova o hipocampo, uma região do cérebro que ajuda a armazenar memórias sobre eventos. Uma delas foi realizada ao meio-dia, quando ainda os resultados obtidos por ambos os grupos não foram muito díspares.

 

Às duas da tarde, apenas um dos grupos dormiu noventa minutos e em seguida todos foram submetidos a uma segunda rodada de exercícios, onde pôde se observar que os piores resultados correspondiam aos que não tinham tirado a sesta.

 

Segundo Walker e sua equipe de pesquisadores, permanecer muitas horas acordado leva a que nossa mente funcione a um ritmo mais lento.

 

Concretamente, passar a noite acordado faz cair em quase 40% a capacidade para empreender novas atividades devido à paralisação de algumas regiões do cérebro durante um período de falta de sono para a pessoa.

 

A equipe de Walker se propôs agora averiguar se a redução do tempo de sono com o avanço da idade está relacionada com a perda de capacidade de aprendizagem que acontece conforme fazemos anos.

 

Descobrir se existe ou não conexão pode ser útil para entender como acontecem os processos neurodegenerativos como a doença de Alzheimer, segundo Walker.

Mais conteúdo sobre:
sesta inteligencia estudo Berkeley

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.