Unesco lamenta morte de Lévi-Strauss

'Trabalhar com este grande homem durante várias décadas foi um dos maiores privilégios da Unesco'

Efe,

04 Novembro 2009 | 17h46

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) lamentou a morte do antropólogo francês Claude Lévi-Strauss aos 100 anos, "um dos gigantes do século XX", disse nesta quarta-feira, 4, o diretor-geral do organismo, Koichiro Maatsura.

 

Veja também: 

linkMorre aos 100 o antropólogo francês Claude Lévi-Strauss 

link'Era lúcido e claro como uma lâmpada'

linkUSP lamenta morte de pensador do estruturalismo

linkLévi-Strauss 100 anos

link Trópico da saudade

lista Conheça a vida e a obra de Claude Gustave Lévi-Strauss

lista Senhor das longas durações e das coisas que ficam

especial Especial em áudio sobre o centenário de Lévi-Strauss

blog Blog do Piza: Uma lágrima para Lévi-Strauss

 

 

 

"Seu pensamento mudou a percepção que o homem tem de seus semelhantes, quebrando conceitos tão excludentes quanto a raça e abrindo caminhos a uma nova visão baseada no reconhecimento dos laços comuns que unem a humanidade", disse Maatsura, em comunicado.

 

O diretor da Unesco celebrou também toda "uma vida dedicada ao conhecimento e à compreensão através do saber, construída, em grande medida, sobre uma curiosidade insaciável por seus semelhantes, que o levou às áreas mais afastadas do mundo e mudou a antropologia moderna de maneira definitiva".

 

Lévi-Strauss, que morreu no sábado passado, trabalhou estreitamente com a Unesco desde a criação do organismo e fez seu último comparecimento público na sede da organização, em 16 de novembro de 2005.

 

"Trabalhar com este grande homem durante várias décadas foi um dos maiores privilégios da Unesco", concluiu Maatsura.

Mais conteúdo sobre:
Claude Lévi-Strauss

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.