Unesco pede US$ 25 milhões para salvar macacos

Ambientalistas precisam urgentemente de US$ 25 milhões para salvar macacos de grande porte - gorilas, chimpanzés, orangotangos e outras espécies - da ameaça de extinção, informou a Organização das Nações Unidas nesta quarta-feira. As agências ambiental e cultural da ONU revelaram que o dinheiro também é necessário para a demarcação de áreas onde as populações de macacos possam se estabilizar e reproduzir.Klaus Toepfer, diretor executivo do Programa Ambiental das Nações Unidas, comentou que a quantia requisitada é o valor mínimo necessário - "o equivalente a dar pão e água a um homem prestes a morrer"."O relógio marca um minuto para a meia-noite para os macacos de grande porte, animais que compartilham mais de 96% de seu DNA com os humanos", afirmou Toepfer, em comentário divulgado na abertura de uma convenção sobre macacos de grande porte realizada em Paris."Se nós perdermos alguma dessas espécies de macacos de grande porte, estaremos destruindo a ponte de nossa origem, e isso faz parte de nossa humanidade", acrescentou. O Programa Ambiental da ONU e a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) alertaram que todas as espécies de macacos de grande porte enfrentam atualmente alto risco de extinção.A crescente população humana, as guerras, a caça ilegal, o tráfico de animais e a destruição das florestas foram citados como os principais motivos para o declínio na população dessas espécies de macacos.

Agencia Estado,

26 de novembro de 2003 | 16h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.