Universidade repreende cientista que falsificou fusão atômica

Rusi Taleyarkhan chegou às manchetes em 2002 alegando ter produzido fusão nuclear em experimentos simples

AP

27 de agosto de 2008 | 21h23

A Universidade de Purdue repreendeu nesta quarta-feira, 27, um cientista que foi acusado de falsificar provas da produção de uma fusão nuclear em simples experimentos de laboratório.   Rusi Taleyarkhan chegou às manchetes em 2002, quando publicou um artigo no jornal Science alegando ter produzido fusão nuclear ao fazer com que bolhas em um líquido entrassem em colapso. A investigação encontrou mentiras em dois artigos subseqüentes.   O artigo já foi originalmente recebido com ceticismo generalizado. A Science publicou, junto, um artigo de outros dois cientistas dizendo que não tinham sido capazes de reproduzir os resultados. Outros pesquisadores, desde então, também falharam em reproduzir a suposta fusão.   A universidade não investigou o artigo publicado na revista Science, que foi publicado quando Taleyarkhan era um pesquisador no Oak Ridge National Laboratory, no Tennessee, mas disse que ele enganou a comunidade científica dizendo que sua "fusão de bolhas" foram replicadas independentemente.   Taleyarkhan também falsificou os arquivos da pesquisa conseguindo que um de seus alunos aparecesse como co-autor para criar uma aparência de que ele tivesse presenciado o experimento, disse o comitê da universidade.   O cientista perdeu uma apelação na justiça e teve seu nome excluído do comitê universitário. Ele poderá continuar sendo membro do corpo de professores, mas não poderá dar aulas importantes para a graduação por pelo menos três anos.   O advogado de Taleyarkhan disse que eles irão recorrer à condenação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.