Universidade usa cegos para melhorar vinho na Espanha

Deficientes conseguem notar imperfeições mais cedo do que sensores químicos.

Anelise Infante, BBC

21 de abril de 2008 | 13h45

A Universidade de La Rioja está usando cegos em um projeto que visa melhorar a qualidade do vinho produzido na tradicional região vinícola da Espanha.De acordo com o professor de Enologia Gonzalo Gonzalo, os deficientes visuais conseguem detectar problemas de aroma e paladar mais cedo do que máquinas que usam processos químicos tradicionais. Isso permite que as imperfeições do vinho seja corrigidas antes, melhorando o resultado final."Não é que os cegos tenham os sentidos mais desenvolvidos. O que acontece é que, ao ter que suprir a falta de um deles, eles acabam se concentrando mais nos outros", disse à BBC Brasil Gonzalo, co-autor do projeto."Se você quiser se concentrar para ouvir uma música, por exemplo, fechando os olhos vai conseguir focar seus sentidos ali. Assim é como funcionam os sentidos dos deficientes", completou o professor.Por acasoO método foi descoberto por acaso nos laboratórios da universidade, quando um professor convidou um amigo cego para um teste de vinhos.Os pesquisadores notaram, então, que o cego definia os picos de intensidade de aroma de cada vinho antes e com mais detalhe do que os processadores convencionais.Atualmente, duas turmas de cegos participam dos processos de avaliação das características do vinho."A intenção é que os cegos cheguem a elaborar vinhos baseando-se nos processos químicos combinados com seus instintos", explicou Gonzalo.Os pesquisadores também descobriram que mulheres cegas têm mais facilidade para as análises químicas dos vinhos, por terem o olfato mais aguçado do que os homens, sobretudo em em dias de ovulação e durante a gravidez.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.