<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

US$ 5 milhões para a conservação dos oceanos

Os primeiros US$ 5 milhões para apoiar as novas estratégias de conservação dos oceanos, em discussão em Los Cabos, no México, foram anunciados ontem à noite, aos especialistas que participam da conferência "Desafiando o Fim dos Oceanos", coordenada pela Conservation International (CI). O fundo foi doado por uma família, que prefere permanecer anônima, e será disponibilizado ao longo de 5 anos. "Acreditamos que isso vai estimular outros doadores privados a investir num plano de ação para assegurar que a riqueza dos oceanos não desapareça", comentou Peter Seligman, da CI. "Se obtivermos dezenas de milhões de dólares de doadores privados, estimularemos os governos a contribuir com centenas de milhões de dólares e nós precisamos disso para apoiar a colaboração entre cientistas e economistas de todo o mundo".Uma das medidas propostas, nesta reunião, é a criação de um Truste Público Mundial (em inglês, World Public Trust) para regular a pesca em alto mar, fora das Zonas Econômicas Exclusivas (ZEEs), de todos os países, o que corresponde a 60% dos oceanos. Trata-se de um princípio relativamente novo, em termos de legislação internacional, baseado em elementos da Lei do Mar, negociados em dezembro de 1982, e na experiência recente de controle da mineração, sob coordenação da International Sea Bed Authority (ou Autoridade Internacional sobre o Fundo do Mar), um organismo das Nações Unidas, sediado na Jamaica."O conceito do World Public Trust estende para um nível internacional o que já se faz com recursos florestais e pesqueiros, a nível nacional, em muitos países. Ou seja, os recursos pertencem à sociedade, são manejados pelas autoridades para o bem da sociedade e, caso sejam explorados pelo setor privado, recebem compensações ou taxas, que devem reverter para a conservação ou pesquisa do bem comum", explica o economista e antropólogo Michael Orbach, da Duke University, dos EUA. No caso, a autoridade reguladora estaria no âmbito das Nações Unidas, com a responsabilidade de monitorar e zelar pela conservação e uso eqüitativo dos recursos pesqueiros, que pertenceriam à Humanidade.Atualmente, cerca de duas dezenas de países - sobretudo asiáticos - exploram os recursos pesqueiros de alto mar, mal controlados por comissões internacionais, divididas por espécie ou grupo de espécies de pescado. A maioria destas comissões trabalha com cotas, politicamente distribuídas, e poucas têm programas efetivos de conservação dos estoques pesqueiros. Mas há exemplos positivos, como o da comissão que maneja um peixe chamado halibut, no Atlântico Norte, e a nova legislação de pesca adotada pelos 15 países da União Européia."A questão é no que as pessoas acreditam", resume Orbach. "Se acreditam que os recursos marinhos são patrimômino comum, da Humanidade, é possível trilhar o longo caminho de negociações e estabelecer este World Public Trust". Clique aqui para ver o especial Oceanos em declínio

Agencia Estado,

02 de junho de 2003 | 12h58

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 9,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
1, 90
/ mês
No primeiro mês
R$ 19,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
22, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.