Uso sustentável da floresta pode reduzir mudança climática

Para representantes na Semana Florestal Européia, exploração econômica é compatível com luta ecológica

Efe

22 de outubro de 2008 | 21h41

Governos, produtores e representantes de ONGs na Semana Florestal Européia, que acontece na sede da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), em Roma, afirmaram nesta quarta-feira, 22, que a exploração econômica das florestas do continente é compatível com a luta contra a mudança climática. Veja também:Florestas européias ajudarão a combater aquecimento, diz FAOItália critica custos de plano da UE contra mudança climáticaBrown garante que crise não afeta esforços ambientaisUE corre para resolver diferenças sobre plano climáticoCaptura de CO2 pode ajudar a tornar aquecimento suportável O diretor da Divisão de Indústria e Produtos Florestais da FAO, Wulf Killmann, explicou à Agência Efe que a maior parte dos 450 participantes do encontro concorda com a possibilidade de encontrar "um equilíbrio entre os aspectos sociais, econômicos e ambientais da floresta". Killman afirmou que este é um dos temas centrais da reunião, promovida pela primeira vez de forma conjunta pela Comissão Européia (CE), a FAO, a Conferência Ministerial para Proteção de Florestas na Europa e a Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa. "Nós (pela FAO) também o vemos como um dos meios para reduzir os efeitos da mudança climática. Todos os anos, perdemos 13 milhões de hectares da floresta no mundo, segundo o Painel Intergovernamental de Mudança Climática (IPCC), o que contribui em 17,3% para a emissão de gases do efeito estufa", afirmou o analista. Segundo ele, este percentual de dióxido de carbono é muito similar ao que representa o total do setor de transporte. Por isso, seria "muito importante reduzir essas emissões e esse desmatamento" na luta contra a mudança climática. Para o representante da FAO, a luta contra o aquecimento global "passa pela utilização da terra para obter produtos agrícolas, uma tarefa na qual a floresta tem um grande potencial, assim como pelo conceito de manejo sustentável" dos recursos florestais. Neste sentido, o diretor da FAO destaca a necessidade de potencializar a indústria florestal sustentável e de explorar a maior superfície possível, já que na Europa - onde a situação da floresta "está melhorando" -, apenas dois terços da área verde total são aproveitadas adequadamente. Um dos motivos pelos quais não se chega a boa mobilização dos recursos florestais é que muitas pequenas extensões de área verde pertencem a pequenos proprietários que não podem ou não querem aproveitar toda sua potencialidade ambiental. "As florestas contribuem para a situação ambiental dos países de diversas formas. Protegem a água, os solos e têm um papel na redução dos efeitos da mudança climática", explica Killmann, que também é membro do grupo interdepartamental de Mudança Climática da FAO. "Quando crescem, as árvores absorvem carbono da atmosfera armazenada no tronco, nas folhas e nas raízes", acrescentou. Killmann completa dizendo que até quando se transforma a matéria-prima das florestas em móveis ou portas, "o carbono fica nele". E se o processo de utilização é sustentável, "replanta-se parte da matéria explorada e se absorve novamente carvão".

Tudo o que sabemos sobre:
aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.