USP encontra células-tronco adultas em vasos sangüíneos

Células estão presentes em todos os vasos; antes disso, acreditava-se que eram encontradas na medula óssea

Brás Henrique, de O Estado de S. Paulo,

17 de março de 2008 | 20h14

Pesquisadoresda Universidade de São Paulo (USP), de Ribeirão Preto, concluíram, após cinco anos, um estudo que demonstra que as células-tronco adultas (mesenquimais) estão nas paredes de todos os vasos sangüíneos. Antes disso, acreditava-se que essas células eram mais encontradas na medula óssea. Cientistas constataram, nos últimos anos, a presença de células-tronco adultas em diferentes tecidos, mas não a sua exata localização. A pesquisa, feita por profissionais do Hemocentro e do Hospital das Clínicas (HC), foi publicada na edição de março da revista científica internacional Experimental Hematology.     "Isso é um conceito novo e muda a nossa visão sobre essas células", disse o pesquisador Dimas Tadeu Covas, que preside o Hemocentro e é professor da Faculdade de Medicina (FM), da USP, de Ribeirão. Segundo ele, ferramentas sofisticadas, como expressão gênica (dentro da biologia molecular), foram utilizadas nos estudos. Agora sabe-se que células conhecidas, como o pericito (também nas paredes de vasos sangüíneos), a célula estrelada hepática (no fígado, em posição semelhante), da retina, entre outras, também têm células-tronco adultas. "Estando nos vasos sangüíneos, elas controlam inúmeros mecanismos de reparo e regeneração."   Covas diz que agora é necessário entender essa célula para uso em tratamentos clínicos e que os resultados da pesquisa ainda são iniciais. "Abriu-se uma avenida nova de investigação", disse. "Com a análise inicial, podemos intervir e começar especificamente com células de cada um dos tecidos e ver como se comportam", comenta Covas. Ou seja, pode-se estudar como elas agem no fígado, no cérebro e em outras partes do corpo. "As células são todas irmãs." Covas disse que, apesar da descoberta, a medula óssea continua sendo importante, pois é o órgão com maior facilidade de obtenção de células-tronco.   Covas é ainda, desde a última quinta-feira, 13, representante do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, por dois anos, na Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). Marco Antonio Zago, ex-presidente do Hemocentro e atualmente na presidência do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), também participou da pesquisa.

Tudo o que sabemos sobre:
células-troncoUSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.