Vacina anticâncer cervical pode ser vendida em 2006

Uma vacina contra dois vírus que causam a maioria dos casos de câncer de colo do útero e que se mostrou 100% bem-sucedida em testes pode estar disponível no mercado no próximo ano. O Gardasil age contra o papilomavírus (HPV), que é transmitido sexualmente e é responsável por 70% dos casos desse câncer, também conhecido como câncer cervical.Participaram da pesquisa 12.167 mulheres, entre 16 e 23 anos, de 13 países. Metade recebeu três injeções da vacina num período de seis meses, e a outra metade, injeções de placebo.Elas foram acompanhadas durante dois anos e constatou-se que o produto é 100% efetivo na prevenção de câncer em estágio inicial e anomalias pré-cancerosas causadas pelos vírus HPV 16 e HPV 18. O Gardasil também funciona contra o HPV 6 e o HPV 11, que causam verrugas genitais.Chegou-se a resultados semelhantes num teste menor feito anteriormente, com 277 mulheres. Cerca de 274 mil mulheres no mundo morrem de câncer cervical todos os anos.Segundo a consultora da ONG britânica Cancer Research UK, Anne Szarewski, "os resultados da pesquisa reforçam as evidências de que vacinas contra câncer cervical são uma grande promessa para o futuro".Apesar de o HPV ser transmitido por meio de relações sexuais, a vacina deve ser administrada em meninas de 10 a 13 anos e alguns críticos afirmam que isso pode estimular o sexo precoce. O medicamento é produzido pelas companhias Sanofi Pasteur e Merck & Co Inc.

Agencia Estado,

07 de outubro de 2005 | 11h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.