Vacina chinesa contra Aids entra em fase de testes

Uma equipe de cientistas chineses iniciou os testes clínicos de uma vacina contra a aids que poderá ter um preço mais acessível, informou nesta segunda-feira a imprensa local. "Normalmente, o vírus invade o corpo humano fundindo a membrana das células. A chave é proteger a entrada e evitar a fusão damembrana", informou Gao Fu, chefe do instituto de pesquisa microbiológica da Academia Chinesa de Ciências, em um fórum sobre remédios contra a Aids em Pequim. O medicamento atualmente em fase de testes se concentra nas proteínas que fundem a membrana e evita que o vírus ataque as células, informou o jornal China Daily. Os portadores do HIV teriam que se injetar diariamente, acrescentou a fonte. A vacina, cuja pesquisa começou há quatro anos, inibe a fusão do HIV e tem como modelo pioneiro o T20 desenvolvido por cientistas norte-americano, registrado em março 2003. Zhou Genfa, presidente da empresa FusoGen Pharmaceuticals, reconheceu ter se "inspirado" no T20 para o desenvolvimento domedicamento, mas, segundo ele, a vacina chinesa utiliza um modelo molecular distinto. O remédio, que poderá estar no mercado no final de 2006, teria um preço significativamente mais baixo que o T20, que pode chegar a US$ 20.000 por ano. A luta contra a Aids será uma das prioridades do XI Plano Qüinqüenal do Governo chinês (2006-2010), que se voltará especialmente para frear a expansão da epidemia do HIV na China, que atualmente afeta 840.000 pessoas na China, sendo que 80.000 já desenvolveram a Aids, segundo dados oficiais. No entanto, organismos independentes acreditam que estes números poderem ser apenas a ponta do iceberg, já que durante décadas a China ignorou a doença, apontada como "mal dos estrangeiros".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.