Vândalos mancham esculturas pré-colombianas no México

A administradora disse que os responsáveis alegaram que pretendiam realizar um ritual pré-hispânico

EFE,

13 de janeiro de 2009 | 15h06

Dois vândalos esfregaram azeite e outras substâncias em 27 peças de arte da cultura olmeca, entre elas as famosas cabeças monumentais, ao tentar realizar um rito pré-hispânico no museu La Venta, do Estado de Tabasco, disseram fontes do governo.    A diretora do Instituto Cultural de Tabasco, Norma Cárdenas, disse 27 das 33 peças arqueológicas foram "afetadas" no fim de semana por duas pessoas que acabaram detidas pela polícia local.   O Museu Parque de la Venta exibe peças de proporções monumentais da cultura olmeca, entre elas a Cabeça de Jaguar, o Macaco Olhando o Céu e a Cabeça Colossal.   A administradora disse que os responsáveis alegaram que pretendiam realizar um ritual pré-hispânico, e para tanto usaram azeite, suco de uva e outras substâncias.   O Instituto Nacional de antropologia e História (INAH) do México disse que já pediu uma perícia dos danos. A reparação das estátuas, com a remoção das manchas, deverá custar US$ 21 mil (mais de R$ 40 mil).   A cultura olmeca, a mais antiga conhecida no México, floresceu de 1.200 a.C. a 500 a.C.

Tudo o que sabemos sobre:
arqueologiaméxicoolmeca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.