Vaticano desmente concessão de direitos a filhos de sacerdotes

Segundo a Santa Sé, não não ocorreram reuniões sobre o tema e não há proposta nesse sentido

Ansa,

03 Agosto 2009 | 15h44

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, negou nesta segunda-feira, 3, que a Igreja católica esteja analisando a possibilidade de conceder alguns direitos jurídicos a filhos de sacerdotes.

 

"São informações sem fundamento", afirmou Lombardi, referindo-se à notícia publicada por alguns veículos da imprensa de que o Vaticano poderia permitir, entre outras coisas, que filhos de religiosos recebessem o sobrenome do pai e herdassem alguns bens.

 

Segundo o porta-voz, nenhuma proposta neste âmbito foi feita pela Congregação para o Clero, assim como também não ocorreram reuniões sobre o tema.

 

O jornal italiano La Stampa havia anunciado, citando fontes oficiais, que diante de alguns casos de sacerdotes que mantiveram relações amorosas e tiveram filhos, o Vaticano estudava estender direitos às crianças e às mães.

 

A publicação explicou que esta medida foi apresentada pela Congregação para o Clero, cujo prefeito é o cardeal gaúcho Cláudio Hummes, e teria a finalidade de evitar ações judiciais de reconhecimento de paternidade.

Mais conteúdo sobre:
sacerdotes Vaticano religião filhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.