Jamil Chade, Enviado especial
Jamil Chade, Enviado especial

Vaticano espera que escolha freie avanço evangélico

Crescimento de movimentos pentecostais na América Latina estaria ameaçando a base da Igreja em uma importante região

14 de março de 2013 | 23h50

VATICANO - O Vaticano não disfarça: a escolha do primeiro papa latino-americano leva consigo a esperança de que a nomeação interrompa o avanço dos movimentos evangélicos pentecostais na região, que estariam ameaçando a base da Igreja no Brasil e no restante do continente.

Segundo o cardeal indiano, George Alencherry, a escolha de Francisco é um "renovação e uma força para reviver a Igreja na América Latina" diante do avanço de outros movimentos. O cardeal espanhol Carlos Amigo Vallejo diz que este papa vai atrair a todos. Já o cardeal chileno, Javier Errázuriz Ossa, evitou dar indicações sobre se todos os 19 eleitores latino-americanos no conclave votaram pelo argentino: "Como é que eu vou saber?". Mas ele admitiu que a eleição do colega de Buenos Aires era "um reconhecimento do papel do catolicismo na região".

Para o vaticanista Thomas Reese, a eleição de Francisco é um "grande sinal de que a Igreja Católica não pode mais ser considerada como uma Igreja europeia". "Mas também um reconhecimento de que a Igreja tem importantes desafios para superar na América Latina", disse. "Francisco terá muito trabalho nos países latino-americanos."

Política

Além de frear o crescimento dos evangélicos, um papa argentino também deve reforçar a influência da Igreja ante tendências e ideologias contrárias aos princípios da Santa Sé adotadas por governos latino-americanos nos últimos anos.

Há um mês, a reportagem do Estado revelou documentos da diplomacia americana em que se escancarava os esforços da Igreja para influenciar crises e situações políticas na Venezuela, Haiti, Honduras, Cuba e mesmo nas eleições no Brasil.

Não por acaso, o dia nas embaixadas latino-americanas na Santa Sé foi destinado a avaliar o impacto político da nomeação. "Nosso trabalho tem sido o de avaliar como isso vai jogar no cenário político regional", indicou um diplomata andino, que pediu para não ser identificado.

A comparação mais lembrada é com João Paulo II, polonês, que foi peça fundamental na história do Leste Europeu, não hesitando em atuar nos bastidores contra o comunismo.

Jorge Bergoglio adotou uma forte posição de defesa dos mais pobres e de críticas ao FMI, temas que o aproximam de vários governos locais. Mas não hesitou em bater de frente com o governo de Buenos Aires nos últimos anos, numa indicação do que poderia ocorrer com outros países agora como papa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.