Vaticano oferece aviões do correio para viagens de fiéis

Grupos poderão ser transportados do aeroporto mais próximo de sua cidade para os locais de peregrinação

Ansa,

14 de fevereiro de 2008 | 16h01

Um acordo entre a diocese de Roma e os correios italianos irá oferecer vôos a baixo custo para locais de peregrinação, em aviões utilizados para o transporte de carga pela noite. As aeronaves serão convertidas em aviões para passageiros durante o dia.   A parceria foi feita entre a Obra Romana de Peregrinação (ORP), órgão da diocese de Roma responsável pela organização de viagens religiosas, e um dos maiores operadores do setor. O acordo envolve também a companhia aérea Mistral Air, que em 2002 foi comprada pelos correios.   "É absurdo afirmar, como foi dito, que o Vaticano comprou uma companhia aérea. Nós adquirimos serviços para que os peregrinos possam desfrutar de tratamento de qualidade a preços acessíveis. Assim oferecemos um serviço tanto aos peregrinos quanto à estrutura do Estado", disse o vice-presidente da ORP, Liberio Andreatta.   A partir de abril, grupos com mais de 70 pessoas poderão ser transportados a partir do aeroporto mais próximo de sua cidade: "Tivemos pedidos de muitas pessoas de toda a Itália que querem ir a Lourdes, Fátima ou à Terra Santa e é difícil levar todas essas pessoas a Roma ou Milão, para depois mudarem de avião e serem levadas aos locais santos. Por isso pensamos nesse serviço", explicou o padre Caesar Atuire, administrador da ORP.    O padre destacou que o treinamento dos funcionários, a decoração dos aviões e mensagens de áudio sobre temas religiosos e reflexões durante o vôo contribuirão para "viver a peregrinação desde o momento da partida".   Os vôos partirão de Roma, Verona, Bari, Brindisi, Lamezia Terme, Catania e Ancona. Os destinos até agora confirmados são Lourdes (França), Fátima (Portugal), Terra Santa (Israel), Santiago de Compostela (Espanha) e Czestochowa (Polônia).

Tudo o que sabemos sobre:
VaticanoRimapelegrinação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.