Vaticano vai aceitar padres e seminaristas anglicanos casados

Eles poderão ser ordenados sacerdotes católicos, mas não poderão ser bispos; medida visa atrair conservadores

Associated Press,

20 Outubro 2009 | 16h09

O Vaticano anunciou uma surpreendente decisão nesta terça-feira, 20, para facilitar a migração dos anglicanos para a igreja de Roma e oferecendo, nas alas mais conservadoras do catolicismo, refúgio para os fiéis insatisfeitos com a ordenação de bispos mulheres ou abertamente gays.

 

Igreja Episcopal autoriza bênção de uniões homossexuais

Igreja Episcopal abre todos os postos do sacerdócio a gays

 

O papa Bento XVI aprovou uma nova provisão que permitirá que os anglicanos se tornem católicos preservando muitas de suas tradições particulares, incluindo os padres casados.

 

O cardeal William Levada, principal autoridade doutrinária da Igreja Católica, anunciou a decisão em entrevista coletiva.

 

No passado, essas concessões eram feitas em poucos casos, e limitadas a alguns países. A nova provisão foi criada para que os anglicanos de todo o mundo possam encontrar um novo lar espiritual, se desejarem a conversão.

 

A decisão levantou questões imediatas sobre como a nova provisão será recebida pela Comunhão Anglicana, que reúne os 77 milhões de fiéis globais da Igreja Anglicana e que está à beira do cisma por conta de decisões tomadas por alguns de seus ramos, como a ordenação de episcopisas e a bênção de uniões homossexuais.

 

O líder espiritual da Comunhão, arcebispo de Canterbury Rowan Williams, fez pouco caso do significado na nova provisão e disse que não representa um comentário do Vaticano sobre as divisões anglicanas.

"Não tem impacto negativo em nossas relações com o Vaticano e nem com a Comunhão como um todo", disse ele, em Londres.

 

Novas entidades dentro da Igreja Católica, chamadas ordinariatos pessoais, serão unidades de fiéis estabelecidas dentro de comunidades católicas locais, mas chefiadas por um ex-padre anglicano que dará apoio espiritual aos anglicanos que desejarem se converter ao catolicismo.

 

Os anglicanos separaram-se da Igreja Católica em 1534, quando o rei Henrique VIII não obteve uma anulação de casamento do papa.

 

As novas provisões canônicas dão aos padres e até mesmo aos seminaristas anglicanos casados a oportunidade de receber a ordenação como padre católico, de um modo semelhante ao que ocorre com os sacerdotes de ritos orientais em comunhão com Roma, e que já são autorizados a casar. No entanto, os anglicanos casados não poderão ser bispos na Igreja Católica.

 

O anúncio do Vaticano levanta questões sobre como o diálogo entre Roma e o arcebispo de Canterbury prosseguirá. Na semana passada, o representante do Vaticano para o ecumenismo, cardeal Walter Casper, havia dito a jornalistas que "não estamos pescando na lagoa dos anglicanos".

 

Para minimizar as acusações de "pescaria", o arcebispo católico de Westminster e Rowan Williams emitiram nota conjunta afirmando que a decisão "encerra um período de incertezas" para os anglicanos que buscavam a conversão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.