Vazamento de petróleo transforma cientistas em celebridades nos EUA

Público e jornalistas voltam-se para pesquisadores a fim de entender as consequências do vazamento

Associated Press

25 Junho 2010 | 16h26

O pesquisador da Universidade da Louisiana Edward Overton já publicou uma pesquisa com o título "Eficiência da Fitorremediação e da Biorremediação de n-Alcanos como Função do Comprimento da Cadeira de Carbono em Ambientes Banhados". Ele também é detentor da patente de algo chamado cromatografia de microestrutura com coluna retangular. E, recentemente, o professor emérito apareceu num talk-show campeão de audiência para explicar o petróleo aos leigos.

 

Após acidente, BP retoma coleta de óleo no Golfo

 

Overton é um de dezenas de cientistas que trabalharam por anos longe da atenção do grande público e que agora se veem nos holofotes da mídia, tentando explicar o vazamento de óleo no Golfo do México.

 

"Geralmente passo meu tempo analisando amostras e olhando para gráficos, o que não é muito sexy", disse Overton, rindo. "Quem teria pensado que (David) Letterman iria convidar a mim, um cientista, para seu programa?"

 

Desde a explosão de uma plataforma de petróleo em 20 de abril, e o vazamento subsequente, jornalistas têm se voltado para pesquisadores em campos que a maioria das pessoas sequer conseguira entender para explicar a situação.

 

Eles enfrentam grandes desafios na tentativa de ajudar a comunidade não-científica a entender o vazamento e suas consequências.

 

"A maioria de nós não somos as pessoas mais extrovertidas do mundo", disse Susan Ustin, professora de ciências do meio ambiente da Universidade ad Califórnia, Davis. "Não estamos acostumados a ser o centro das atenções, e a maioria de nós teme se enrolar".

 

Ela acrescenta que, no meio acadêmico, bater papo ao vivo na televisão e promover o próprio trabalho costuma ser visto com maus olhos. "É uma espada de dois gumes. Fico preocupada que vou dizer algo de uma certa maneira que, quando entrar na reportagem, não vai soar inteligente", disse ela. "E fico preocupada que meus colegas não venham a aprovar".

 

Overton crê que é chamado pela mídia porque põe a questão "em linguagem clara". Durante sua participação no show de Letterman, levou uma garrafa de óleo recolhido do golfo.

 

Mas a fama vem com um preço. Ele passou a receber telefonemas de um matemático amador que acredita ter a solução do vazamento, e que rastreou Overton depois de vê-lo na televisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.