Venda da soja transgênica ainda preocupa produtores do Sul

Os agricultores gaúchos continuam apreensivos, apesar da anunciada decisão política do governo federal de que garantirá a comercialização da soja transgênica desta safra. ?A preocupação persiste?, disse nesta sexta-feira o presidente da Comissão de Grãos da Federação de Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul), Jorge Rodrigues.Os produtores, segundo ele, estão intranqüilos porque as medidas concretas não foram definidas e o Ministério Público no Estado ainda ameaça incinerar a produção ilegal e lacrar armazéns. Além disso, os armazéns são insuficientes para estocar o produto por um longo período. ?A capacidade de armazenagem, no pico da colheita, não passa de quatro dias.?A solução jurídica para comercializar a soja modificada geneticamente, mesmo com a produção sendo proibida no País, ainda está em estudo pela Advocacia-Geral da União. ?É fundamental que a soja seja exportada?, voltou a defender a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, que se recusou a fazer julgamento sobre denúncias de queassentados também teriam plantado soja transgênica no Sul.A ministra reafirmou que o governo está determinado a evitar problemas sociais eeconômicos e, ao mesmo tempo, a situação do fato consumado onde o dolo é cometido na perspectiva de que possa ser ampliado ao invés de corrigido. ?A safra dopróximo ano terá de ser limpa?, diz.A Farsul, no entanto, é contra a assinatura do termo de ajustamento de conduta quechegou a ser proposto na última reunião da comissão interministerial criada para discutirtransgênicos. O governo liberaria a venda da soja desta safra, desde que os agricultoresreconhecessem que plantaram ilegalmente soja transgênica e se comprometessem aproduzir soja convencional no próximo ano.O diretor da Farsul argumenta que não haveria sementes convencionais em quantidadesuficientes para manter o mesmo nível de produção deste ano, que deve atingir cercade 9 milhões de toneladas somente no Rio Grande do Sul. ?Não podemos assinar umdocumento que talvez não possa ser cumprido?, enfatiza.Para ele, o governo deveria acabar com a hipocrisia de suposições de que transgênicos podem não ser bons e regulamentar logo o uso desta tecnologia que garante maior produção. A indefinição do governo também desagrada aos ecologistas, mas pela razão oposta. Eles querem que a comercialização da safra gaúcha seja proibida, alegando, entre outros motivos, que uma pesquisa de opinião feita em dezembro passado pelo Ibope revelou que 71% dos brasileiros preferem consumir alimentos convencionais.E cobram do governo Lula o cumprimento do compromisso, assumido durante a campanhaeleitoral, de realizar Estudos de Impacto Ambiental, toxicológicos e socioeconômicos,além de reprimir o plantio clandestino de transgênicos, garantindo informação plena aoconsumidor.?Nós esperamos que o governo Lula mantenha suas propostas, sem deixar que safra seja comercializada internamente?, afirma a coordenadora da Campanha de EngenhariaGenética do Greenpeace, Mariana Paoli.

Agencia Estado,

14 de março de 2003 | 18h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.