Venda na internet ameaça espécies em extinção

O comércio online de animais está ameaçando várias espécies, segundo um relatório do Fundo Internacional para o Bem-Estar dos Animais (Ifaw). Uma investigação desta ONG mostrou que, em apenas uma semana, 9 mil animais e partes de animais estavam à venda em sites de comércio, como o e-Bay, por exemplo.Segundo a organização, muitos dos comerciantes estão se aproveitando do anonimato da internet para praticar o crime.Em três meses de investigação, o Ifaw encontrou algumas das espécies em risco de extinção à venda online. Havia um gorila, um tigre siberiano e quatro filhotes de chimpanzé sendo vendidos em sites americanos.Partes de animaisEntre as partes de animais, havia cascos de tartarugas marinhas, xales feitos com pêlos de antílope tibetano e leões e falcões peregrinos empalhados. Muitas dessas espécies são protegidas por leis internacionais.Peças de marfim e remédios tradicionais asiáticos com partes de rinocerontes e tigres ameaçados de extinção mostraram ser artigos comuns à venda.O relatório Pego na rede: Comércio de Animais Selvagens na Internet afirma que muitos animais se tornaram alvo de caçadores por causa da demanda do mercado.Grupos criminososA diretora do Ifaw no Reino Unido, Phyllis Campbell-McRae disse que comerciantes inescrupulosos e sofisticados grupos criminosos aproveitam o anonimato da internet."O resultado é um mercado negro cibernético onde o futuro dos animais mais raros do mundo está à venda. (...) A situação tem que ser combatida imediatamente por governos e proprietários de sites", afirmou.Dos 9 mil animais e partes de animais encontradas à venda apenas na primeira semana das investigações, 70% eram de espécies protegidas pela Convenção Internacional de Comércio de Espécies em Perigo (CITES).O Ifaw afirma que, apesar de as leis existirem, não há recursos suficientes para fiscalizá-las.

Agencia Estado,

16 de agosto de 2005 | 13h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.