Verão na Europa foi o mais quente desde 1540. Sinal de perigo

De acordo com um relatório da comissão nacional de clima de Suíça, os recordes de altas na temperaturas na Europa, este ano, foram o resultado de mudanças climáticas nas últimas décadas. Temperaturas elevadas e outros fenômenos climáticos, ainda segundo o estudo, iniciado em 1996, poderão continuar ocorrendo, levando a condições extremas. Longas ondas de calor, como a deste verão europeu, que agora parecem excepcionais, poderiam tornar-se norma e ocorrer mais freqüentemente.De acordo com o historiador climático Christian Pfister, o verão de 2003 foi o mais quente desde 1540, quando ondas de calor do mesmo tipo reduziram o Rio Reno ? que faz a fronteira entre Suíça e Alemanha ? a um ribeirão. Mas ao contrário desse verão de 500 anos atrás, o atual não pode ser tomado como um caso isolado, dizem os especialistas.O verão de 1540 foi apenas ligeiramente mais quente que o de 1947, mas os dois verões foram similares em fatos climáticos que os precederam e nas ondas de calor. O início do verão foi extremamente frio e úmido em 1547 e o Reno estava congelado na Alemanha, em 1947.Mas nos últimos 12 anos, não houve um mês extremamente frio antes. ?Assim, tornou-se claro que uma mudança fundamental de clima ocorreu nos anos 90?, diz Pfizer.O estudo recomenda o planejamento de medidas de proteção para mais longas e mis quentes ondas, assim como outras catástrofes naturais. Este verão, na França, o governo defrontou-se com taxas de mortes de 11.435 pessoas. Mas de 4.000 idosos italianos também morreram, segundo estimativas oficiais.Os especialistas dizem que danos devidos a catástrofes aumentaram muito desde 1970 e as mudanças climáticas podem levar a fenômenos mais extremos, chegando a terríveis devastações.

Agencia Estado,

24 de setembro de 2003 | 17h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.