Reprodução
Reprodução

Vereadores querem volta das sacolinhas plásticas em SP

Câmara discute votar novas propostas que permitam volta das embalagens nos supermercados

Diego Zanchetta e Rodrigo Burgarelli,

23 de maio de 2012 | 19h13

 Um ano após aprovar o fim das sacolinhas plásticas em São Paulo, a Câmara Municipal discute votar novas propostas que permitem a volta dessas embalagens nos supermercados da capital. Dois projetos protocolados nesta semana pelos vereadores Dalton Silvano (PV), da base governista, e Francisco Chagas (PT), da oposição, ganharam força entre outras lideranças da Casa nos últimos dias e podem ser votadas nas próximas sessões.

 

Na reunião de líderes da segunda-feira, esse foi o principal assunto debatido entre os vereadores. Silvano argumentou que a Casa não podia deixar de discutir esse assunto já que uma pesquisa divulgada nesta semana mostra que 69% dos paulistanos é a favor da volta das sacolinhas nos supermercados. O presidente da Câmara, José Police Neto (PSD), é contrário à volta e acha que essa questão não deve ser colocada em plenário.

O outro grande defensor da volta das sacolas é o petista Francisco Chagas. "Eu já tinha alertado desde o ano passado, que não deveria ter sido de uma hora para a outra. Não são as sacolinhas que vão resolver os problemas ambientais. Isso é uma demanda da população e nós precisamos ouvi-la", afirmou. Ele foi um dos poucos vereadores a criticar abertamente o fim das sacolas plásticas no ano passado.

A articulação pró-sacolinhas ocorre justamente no momento no qual a Mesa Diretora da Casa entrou com recurso judicial contra uma liminar que suspende temporariamente a lei que proíbe as sacolas. A suspensão foi concedida pela Justiça paulista a pedido de uma associação de supermercados da capital.

"A Casa tem que defender um projeto que é seu", justificou o presidente José Police Neto (PSD). Marco Aurélio Cunha (PSD), seu colega de partido, também é favorável à manutenção da proibição. "As pessoas já estão se acostumando a levar sacolas para o mercado. Por esse motivo, para que retroagir dessa forma? A gente não vê mais aqueles mares de sacolinha nas ruas entupindo as bocas de lobo como havia antes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.