Vibração das asas do Aedes pode ajudar no controle da dengue

Batida das asas para o acasalamento pode ajudar cientistas no controle da população de mosquitos

AP,

08 de janeiro de 2009 | 20h01

Pesquisadores da Universidade de Cornell descobriram que os mosquitos Aedes aegypti - aqueles que espalham a febre amarela e a dengue - alteram a vibração de suas asas como um sinal de acasalamento.  A boa notícia é que a descoberta pode ajudar a encontrar melhores maneiras de controlar os mosquitos, de acordo com Ronald R. Hoy, um dos autores do estudo publicado na edição desta quinta-feira, 8, da revista Science. Liberar mosquitos machos estéreis é uma maneira de controlar a reprodução dos insetos. Observar seus sinais de acasalamento pode fornecer uma maneira de determinar se os machos estéreis podem realizar a corte com as fêmeas, explicou.  Isso acontece porque o mosquito fêmea, tendo acasalado, responde menos a outros machos e muito provavelmente não acasalará novamente. Então, se o acasalamento inicial foi com um macho estéril, não haverá descendência.  "Estudando o tom desses sinais de voo, nós poderemos conseguir determinar que tipo de informação os machos e fêmeas consideram importantes quando escolhendo um parceiro", acrescentou o coautor, Lauren Cator. Hoy, que estuda a audição em insetos, disse que cientistas sabiam que a vibração ajudava os machos a atrair a atenção das fêmeas, mas ele e seus colegas se perguntavam exatamente o que podiam ouvir.  Alguns mosquitos igualam a batida de suas asas quando acasalam, disse, então pesquisadores decidiram ver se esse também era o caso do Aedes aegypti. Acontece que os mosquitos alteravam sim o batimento de suas asas, mas não para igualar às do parceiro.  As fêmeas normalmente têm uma frequência de cerca de 400 batidas por segundo e os machos de 600, explicou.  Quando eles se encontram, eles ajustam as batidas até que houvesse 1200 vibrações por segundo, criando um som harmônico.  Os pesquisadores ficaram surpresos quando os insetos puderam sentir o som harmônico. Pensava-se que os mosquitos eram surdos. Para ter certeza, os pesquisadores implantaram eletrodos no órgão Johnston dos mosquitos, que os insetos usam para ouvir. Eles puderam sentir frequências de até 2000 hertz. Então, as pessoas podem ouvir a música romântica dos mosquitos? Sim, disse Hoy, soa como o pior apito nas suas orelhas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.