Vida fora da Terra é provável, diz ganhador do Nobel de Física

Mas Frank Wilczek lembrou que 'uma coisa é a vida e outra é a vida inteligente'

EFE, EFE

29 Setembro 2010 | 16h31

O Prêmio Nobel de Física de 2004, o americano Frank Wilczek, se mostrou convencido da existência de vida extraterrestre, "provavelmente", inclusive, em nosso próprio Sistema Solar.

 

Em entrevista concedida à Agência Efe, Wilczek cogitou a possibilidade de que planetas como Marte, e talvez alguns satélites de Saturno, abriguem formas de vida, que seriam parecidas às bactérias extremófilas que habitam alguns ambientes da Terra.

 

O Prêmio Nobel, que participa de um evento científico realizado em San Sebastián, no norte da Espanha, explicou que há tantos planetas e estrelas no universo que fica difícil "considerar que só um, a Terra, tenha vida".

 

De qualquer maneira, ele lembrou que "uma coisa é a vida e outra é a vida inteligente", uma qualidade que "requer muito tempo e uma série de condições" específicas. Segundo ele, haver todos esses ingredientes ao mesmo tempo "é difícil".

 

No entanto, embora ele não considere impossível que Marte contenha alguma forma de vida, Wilczek não é favorável a organizar, no momento, missões tripuladas por humanos ao planeta vermelho, já que "a tecnologia da qual dispomos atualmente, para enviar pessoas ao espaço, é muito perigosa e muito cara".

 

Por este motivo, ele considera que até se pode enviar astronautas ao espaço, mas que seria melhor destinar o dinheiro "a outro tipo de coisas que têm mais prioridade".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.