Pyne, ALB, Noy, A., Main, KHS et al/Nature Communications
Pyne, ALB, Noy, A., Main, KHS et al/Nature Communications

Vídeo inédito mostra 'dança' de moléculas de DNA e descoberta pode ajudar a ciência

Pesquisadores conseguem imagens em alta resolução que captam o movimento dentro da célula e estudo ajudará a entender melhor as doenças genéticas

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2021 | 10h51

Pesquisadores britânicos revelaram as primeiras imagens em vídeo que mostram o movimento da hélice de DNA (ácido desoxirribonucleico) dentro de uma célula. Antes, apenas uma reprodução estática era possível ser feita com o uso de microscópios. A descoberta pode contribuir para prevenção e tratamento de doenças genéticas.

O estudo, publicado na Nature Communications, foi feito pelas pesquisadoras Alice LB Pyne, da Universidade de Sheffield, Agnes Noy, da Universidade de York, e Sarah A. Harris, da Universidade de Leeds, todas do Reino Unido, entre outros.

"É preciso ver para crer, mas com algo tão pequeno como o DNA, ver a estrutura helicoidal de toda a molécula de DNA foi extremamente desafiador. Os vídeos que desenvolvemos nos permitem observar a torção do DNA em um nível de detalhe nunca visto antes", comentou a cientista Alice Pyne.

Para observar essa "dança" do DNA, as cientistas utilizaram uma combinação de microscópio de força atômica de alta resolução com simulações em computador das dinâmicas moleculares. Isso permitiu, inclusive, analisar a posição de cada átomo.

A artigo apresentou destalhes dessa pesquisa que explica que cada célula do corpo humano contém dois metros de DNA e, para que ele caiba, o filamento precisa se torcer o tempo todo, em um processo que é chamado de superenrolamento. Antes, era possível apenas observar por imagens, então não se tinha a dimensão de quão dinâmico pode ser.

A expectativa é que a descoberta traga novas terapias genéticas ou ajude no desenvolvimento de intervenções médicas mais aprimoradas.

Tudo o que sabemos sobre:
corpo humanoDNAgenética

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.