Vírus similar ao HIV passou de macacos para humanos na África

Cientistas descobriram que um novo vírus, parecido com o HIV, infectou pigmeus na República dos Camarões. O vírus teria sido contraído por meio do consumo da carne de animais selvagens, especialmente de macacos.Foi dessa mesma maneira que as duas primeiras versões do vírus da Aids, o HIV-1 e o HIV-2, se desenvolveram. Eles existiam em macacos - nos quais são extremamente comuns - e, após um tempo incubados no organismo de seres humanos, chegaram ao formato atual, em que são mortais para os seus portadores.EspumosoO novo retrovírus foi encontrado por pesquisadores da Universidade Johns Hopkins em comunidades que vivem nas florestas camaronesas. Ele se chama Symian Foamy Virus - Vírus Símio Espumoso.Os cientistas acreditam que ele chegou ao organismo dos pigmeus por meio do sangue de macacos dos quais eles se alimentaram. O temor dos cientistas é que o novo vírus repita a trajetória do HIV, responsável pela morte de milhões de pessoas todos os anos.Acredita-se que nos anos 1930 caçadores na África Central tenham contraído o Vírus de Imunodeficiência Símia consumindo carne de chimpanzés, que por sua vez o teriam adquirido de outros macacos. No organismo humano, ele teria se transformado no HIV-1. Da mesma forma, um vírus de originado em primatas do Oeste da África teria se desenvolvido no HIV-2.EpidemiaA primeira vez em que foram constatados sintomas relacionados à Aids em pessoas foi na década de 1970, e os primeiros casos de uma epidemia da doença nos anos 1980. Desde então, 60 milhões de pessoas foram contaminadas com o HIV, e 20 milhões morreram em decorrência da Aids, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.Isso explica por que os cientistas se preocupam com o fato de que um novo retrovírus símio - aparentemente inofensivo - tenha passado dos macacos para seres humanos. O vírus da Aids pode ter começado exatamente assim.

Agencia Estado,

26 de outubro de 2004 | 12h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.