Vitória usará tecnologia da Nasa para monitorar poluição

Numa demonstração de que a exploração de outros planetas não serve só para matar a curiosidade do homem por mundos distantes, Vitória começa neste mês a monitorar a poluição do ar usando uma tecnologia desenvolvida pela Nasa, agência espacial americana, para pesquisar o solo de Marte. A Companhia Vale do Rio Doce, localizada na capital do Espírito Santo, também vai empregar essa tecnologia espacial para o controle de qualidade, poluição e segurança de seus processos industriais.O introdutor da nova tecnologia em Vitória foi o físico capixaba Paulo de Souza Júnior, único brasileiro que participará da missão Mars Exploration Rover- 2003, da Nasa, que enviará duas naves a Marte neste ano, uma em maio e outra em julho. ?Fui convidado, em março, a participar da missão na condição de pesquisador colaborador convidado?, conta Souza Júnior. ?Na época, eu estava na Universidade de Johannes Gutemberg, em Mainz, na Alemanha.?Ele fazia parte de um grupo de pesquisadores responsável pelo desenvolvimento, sob encomenda da Nasa, de um equipamento chamado Miniaturized Mössbauer Spectrometer II (Mimos II). ?Do tamanho de um mouse, o Mimos II realiza, por ressonância nuclear, uma análise detalhada de compostos ferrosos, comuns em Marte?, explica Souza Júnior. ?Por isso, a Nasa vai enviar alguns deles ao planeta vizinho. Acoplados a robôs, os Mimos II passearão pela superfície marciana, o que permitirá uma detalhada caracterização mineralógica de rochas, solos e poeira daquele mundo.?Com pequenas modificações, Souza Júnior adaptou o equipamento para analisar o ar da Grande Vitória. ?Foi parte do meu doutoramento?, conta. ?Queria saber quais são os principais poluentes e suas fontes existentes na cidade. Em agosto, instalamos experimentalmente um Mimos II e neste mês instalaremos outro em caráter definitivo. O trabalho será feito com a Secretaria Estadual do Meio Ambiente.?Segundo ele, o equipamento permitiu conhecer melhor a poluição de Vitória. ?Hoje sabemos quanto cada indústria polui, quanto poluem os carros, as vias sem pavimentação, as pedreiras, a construção civil e as queimadas?, explica. ?Agora, junto com essa sonda, vamos usar outro equipamento, um analisador químico similar ao utilizado na missão Mars Pathfinder da Nasa, que pousou em Marte em 1997. Isso possibilitará indicações ainda mais seguras das fontes poluidoras e será possível tomar medidas de controle e diminuição da poluição.?

Agencia Estado,

07 de janeiro de 2003 | 21h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.