Voyager 2 tem problemas para enviar dados científicos à Terra

Sonda se encontra a 14 bilhões de quilômetros da Terra, e opera há 33 anos

Associated Press

06 Maio 2010 | 16h47

O Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da Nasa está tentando resolver um problema nos dados enviados pela sonda Voyager 2, que se encontra na fronteira do Sistema Solar.

 

Nota divulgada pelo JPL informa que parece haver um problema no sistema que formata os dados para transmissão. Uma mudança inesperada tem impedido que os responsáveis pela missão decodifiquem os dados científicos.

 

Ilustração de uma das naves Voyager no espaço; missão dura mais de 30 anos. Nasa/Divulgação

 

Por enquanto, a Voyager 2 está em um modo de transmissão exclusiva de dados sobre o estado da sonda.

 

A Voyager 2 e sua "irmã gêmea", Voyager 1, foram lançadas em 1977 e atualmente são os dois objetos artificiais mais distantes da Terra. A Voyager 2 está a 14 bilhões de quilômetros do planeta.

Ed Stone, cientista do projeto Voyager, acredita que o problema pode ser resolvido e não acha que ele esteja ligado à idade da sonda. "Isto é memória volátil, como no computador da sua casa, quando você dá o boot", disse ele. "E de vez em quando uma partícula de raio cósmico pode fazer um dos bits virar, ou pode thaver uma falha em um dos bits". O conserto pode envolver pôr o bit de volta em seu estado normal, ou reprogramar o sistema para contorná-lo.

 

Também pode ser possível descobrir como decodificar os dados. A nave transmite ininterruptamente, e a rede Deep Space da Nasa dedica cerca de dez horas ao dia para captar suas emissões. No modo normal, os dados são majoritariamente científicos, mas a uma taxa de 160 bits por segundo.

 

A Voyager 1 está a 17 bilhões de quilômetros da Terra e, em cerca de cinco anos, deverá cruzar o limiar da heliosfera, a bolha que o Sol cria ao redor do Sistema Solar, e mergulhar no espaço interestelar. A Voyager 2 seguirá depois.

Mais conteúdo sobre:
voyager nasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.