EFE/EPA/Joel Kowsky
EFE/EPA/Joel Kowsky

Do espaço, a inspiração contra o vírus

SpaceX e Nasa lançam missão espacial tripulada pela primeira vez desde 2011; astronautas seguem para Estação Espacial Internacional

 Daniel Fernandes e Giovanna Wolf, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2020 | 20h15

Ainda que sem relação direta, a primeira missão tripulada ao espaço americana desde 2011, fruto de uma parceria entre uma empresa privada que tem o empreendedor Elon Musk à frente e a Nasa, representou neste sábado, 30, um breve momento de alegria e inspiração diante de uma pandemia que já vitimou mais de 5,9 milhões de pessoas em todo o mundo. Se é possível levar o homem ao espaço – e fomos todos lembrados disso neste sábado, a partir de transmissão ao vivo pela internet da Flórida, nos Estados Unidos, é possível vencer uma pandemia, um inimigo silencioso que matou mais de 365 mil pessoas.

O foguete Falcon 9 deixou o solo norte-americano pontualmente às 16h22 (horário de Brasília) com os astronautas Bob Behnken e Doug Hurley em direção à Estação Espacial Internacional. É a primeira vez que uma empresa privada realiza um lançamento à órbita da Terra com astronautas; até então apenas as espaçonaves governamentais chegavam a tais alturas. O lançamento ocorreu na segunda tentativa: ele inicialmente estava previsto para a última quarta-feira, 27, mas houve adiamento por causa do mau tempo na Flórida, onde fica o Centro Espacial Kennedy. 

Desta vez o clima local ajudou e o foguete foi lançado sob os olhares de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, que acompanhou tudo de perto. A viagem dos astronautas até a Estação Espacial Internacional deverá durar 19 horas. Partes do foguete usado para o lançamento dos astronautas ao espaço foram recuperadas minutos após a decolagem, em imagens também transmitidas ao vivo pela internet. 

A agência espacial americana pretende, em parceria com a empresa aeronáutica Boeing e à Space X – para a qual concedeu US$ 3,1 bilhões com o objetivo de desenvolver cápsulas especiais –, estimular o mercado comercial de viagens para fora da Terra. 

O lançamento deste sábado marca a primeira vez em que uma empresa privada participa de um lançamento espacial em território norte-americano. Desde 2011, é a Rússia quem tem transportado os astronautas da Nasa ao espaço, por meio da espaçonave Soyuz. A agência espacial americana decidiu aposentar os ônibus espaciais em 2011, decisão tomada após acidente com a nave Columbia oito anos antes.

A SpaceX testou com sucesso a Crew Dragon sem astronautas no ano passado, na sua primeira missão à estação espacial. O veículo, entretanto, acabou destruído no mês seguinte durante teste em solo quando uma das válvulas do sistema de emergência explodiu. O caso levou a uma investigação que se estendeu por nove meses e foi encerrada em janeiro.

Recentemente, ao chegar ao centro espacial Kennedy, Behnken, 49 anos, comparou o trabalho que levou ao lançamento deste sábado a uma maratona. Ele rememorou à agencia Reuters, entretanto, que é isso que se pode esperar no desenvolvimento de um veículo capaz de transportar humanos ao espaço. Um dos objetivos do projeto é desenvolver veículos reutilizáveis e que, dessa forma, possam reduzir os custos de uma viagem espacial. Vida longa e próspera.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.