Grande Barreira de Corais está ameaçada na Austrália

Grande Barreira de Corais está ameaçada na Austrália

Herton Escobar

17 Novembro 2014 | 17h20

Corais na Lizard Island (Ilha do Lagarto), que faz parte do mosaico de recifes da Grande Barreira. Crédito: Catlin Seaview Survey

Corais na Lizard Island (Ilha do Lagarto), que faz parte do mosaico de recifes da Grande Barreira. Crédito: Catlin Seaview Survey

Boas e más notícias sobre a Grande Barreira de Corais (GBC) da Austrália:

Uma boa notícia é que o Catlin Seaview Survey — um grande projeto que está documentando fotograficamente os principais recifes de coral do planeta — colocou em domínio público na semana passada (dia 14) mais de 100 mil imagens submarinas de 32 locais da GBC. São fotos panorâmicas, de 360 graus, feitas com uma câmera desenvolvida especialmente para o projeto e que, além da beleza perceptível aos olhos de qualquer leigo, possuem um enorme valor científico, pois servem como uma referência básica  de avaliação e acompanhamento do estado de saúde desses ecossistemas. (Para saber se as coisas estão melhorando ou piorando ao longo do tempo, é preciso ter uma base comparativa de referência, e as fotografias servem esse propósito.)

Para quem tiver fôlego para dar um mergulho no banco completo de imagens, elas podem ser encontradas aqui: http://globalreefrecord.org/regions/details/1. Quem quiser ver apenas uma amostra mais “artística” pode se deslumbrar com as fotos que estão embedadas neste post. E quem tiver um pouco mais de tempo e quiser dar um passeio por algumas das áreas visitadas pelo projeto no Google Streetview, pode clicar aqui: maps.google.com/ocean A ferramenta é a mesma que permite passear pelas ruas de grandes cidades do planeta só que, neste caso, o passeio acontece debaixo d’água, por entre os recifes de coral. Imagine só!

A divulgação foi feita no Congresso Mundial de Parques da IUCN, que termina nesta quarta-feira (19).

Golfinhos dançam sobre o Recife Myrmidon. Crédito: Catlin Seaview Survey

Golfinhos dançam sobre o Recife Myrmidon. Crédito: Catlin Seaview Survey

A má notícia é que o estado de saúde da Grande Barreira de Corais inspira sérios cuidados. Apesar de toda a sua fama, de toda a sua importância ecológica e turística, e de ser uma unidade de conservação oficial da Austrália desde 1975 e considerada Patrimônio da Humanidade pela Unesco desde 1981, a GBC padece dos mesmos problemas de grande parte dos outros ecossistemas recifais do planeta: pesca ilegal, poluição e outras formas de degradação que emanam das atividades humanas na sua região costeira — incluindo a dragagem de portos e o tráfego de navios cargueiros. Segundo um estudo publicado em 2012 na revista PNAS, a cobertura de coral vivo dos recifes da GBC encolheu 50% nos últimos 30 anos, aproximadamente (era de 28%, caiu para menos de 14%).

Ou seja, o que você vê nas fotos do Catlin Seaview Survey hoje representa apenas metade do que existia de corais na Grande Barreira até pouco tempo atrás, em meados da década de 1980. E o prognóstico para os próximos 30 anos, se as coisas continuarem do jeito que estão, também não é muito animador.

Garoupa na Shelly Beach. Crédito: Catlin Seaview Survey

Garoupa na Shelly Beach. Crédito: Catlin Seaview Survey

A situação é tão preocupante que a Unesco ameaçou colocar a GBC na lista de “Patrimônios Ameaçados” da humanidade no ano que vem, se o governo australiano não adotar medidas concretas para garantir a sobrevivência dos recifes. O governo ouviu o recado e publicou no mês passado (outubro de 2014) um 

Documento

  • Plano de Sustentabilidade a Longo Prazo, com uma série de metas e compromissos associados à conservação do Parque Marinho da Grande Barreira de Corais. O problema é que o plano foi massacrado pela comunidade científica logo na sequência. A Academia Australiana de Ciências publicou uma resposta oficial   PDF
 ao projeto, dizendo que a proposta do governo é  tímida e não chega nem perto de garantir a sustentabilidade dos recifes a longo prazo.

“A ciência é muito clara: a Barreira está em estado de degradação e sua condição está piorando. Esse plano não restaura os recifes nem garante a manutenção de seu estado atual, já diminuto”, diz o pesquisador Terry Hughes, em um comunicado divulgado pela Academia. Uma das principais falhas, segundo ele, é que o projeto ignora as novas ameaças trazidas pelo aquecimento global, que incluem a elevação de temperatura e acidificação da água do mar — fatores prejudiciais aos corais.

O plano será submetido à Unesco para análise em janeiro. Fica no mar a pergunta: Como estará a Grande Barreira de Corais daqui mais 30 anos? Quando os astronautas olharem para ela do espaço em 2045, continuarão a ver a maior estrutura viva do planeta, ou apenas o esqueleto do que resta dela? Imagine só.

Mais informações no mapa abaixo. Se não conseguir visualizá-lo, clique aqui: http://goo.gl/dddZWU

Gostou? Compartilhe! Siga o repórter no Twitter: @hertonescobar; Facebook: http://goo.gl/3wio5m e no Instagram: @hertonescobar

Leia também no blog: Recifes de coral do Caribe, a caminho da extinção

Brasil vai ganhar um Uruguai de áreas marinhas protegidas